segunda-feira, 4 de junho de 2012

O Mito da Felicidade





LETÍCIA SORG. COM JULIANA ELIAS

A resposta de qualquer pai ou mãe, questionado sobre o que deseja para os filhos, está sempre na ponta da língua: “Só quero que sejam felizes”. A frase não deixa dúvidas de que, numa sociedade moderna, livre de muitas das restrições morais e culturais do passado, a felicidade é vista como a maior realização de um indivíduo. Até governos nacionais se viram na obrigação de fazer algo a respeito.

Neste ano, a China e o Reino Unido anunciaram a intenção de medir o grau de felicidade de seus habitantes. Os governantes, espera-se, querem o melhor para seu país, assim como os pais querem o melhor para seus filhos. Mas a ambição de sempre colocar um sorriso no rosto pode ter um efeito contrário. A pressão por ser feliz, condição nada fácil de ser definida, pode acabar reduzindo as chances de as pessoas viverem bem.

“Quero que meus filhos sejam felizes, mas também que encontrem um propósito e conquistem seus objetivos”, diz o americano Martin Seligman, considerado o mestre da psicologia positiva. Depois de estudar a busca da felicidade por mais de 20 anos, ele afirma ser tolice elegê-la como a única ambição na vida. Ex-presidente da Associação Americana de Psicologia, professor da Universidade da Pensilvânia, pai de sete filhos e avô pela quarta vez, Seligman reviu suas teorias e concluiu que é preciso relativizar a importância das emoções positivas. “Perseguir apenas a felicidade é enganoso”, diz Seligman .

Segundo ele, a felicidade pode tornar a vida um pouco mais agradável. E só. Em seu lugar, o ser humano deveria buscar um objetivo mais simples e fácil de ser contemplado: o bem-estar.

Em seu novo livro, Flourish (Florescer), Seligman apresenta cinco fatores fundamentais para viver bem. A felicidade (emoções positivas), quem diria, seria apenas um deles, ao lado de propósito, realização, engajamento e relações pessoais (saiba mais no quadro abaixo). “O que eu pensava dez anos atrás era parecido com o que Aristóteles dizia, que havia um único objetivo final, a felicidade”, afirma o americano. Mas ele observou que, muitas vezes, decidimos fazer coisas que não melhoram exatamente nosso humor. Como, por exemplo, ter filhos.

O que importa para viver bem
O psicólogo Martin Seligman afirma que a felicidade é só um dos elementos responsáveis por nosso bem-estar. Conheça os outros

Para casais estabelecidos, que sonham com uma família, a notícia de uma gravidez costuma levar pai e mãe às nuvens. O nascimento da criança é motivo de celebração, com direito a vídeo do parto e incontáveis fotos. Mas, segundo pesquisas de opinião, a alegria dura pouco, e nossa percepção de felicidade diminui nos primeiros anos de vida das crianças.

Uma provável explicação para o resultado seria que, ao responder ao questionário, somos influenciados por fatores comezinhos, como as noites maldormidas e as fraldas sujas. De qualquer forma, apesar disso, as pessoas continuam a ter filhos porque, mais do que alegria, eles dão sentido a nossa existência.

A ideia de que a vida é mais do que a busca de sensações positivas não é nova. Ao escrever que a felicidade é o motivo por trás de todas as razões humanas, Aristóteles não defendia viver apenas em busca de emoções positivas e prazeres.

Para o filósofo grego, ser feliz era praticar a virtude. Mesmo Thomas Jefferson, que alçou a felicidade a um direito na declaração de independência americana, em 1776, não defendia ser feliz acima de qualquer coisa, como queremos hoje.

No livro A democracia na América, Alexis de Tocqueville afirma que, para Jefferson, a felicidade envolvia conter desejos para obter objetivos de longo prazo. O que muitos afobados de hoje resistem em fazer.

A noção de que a felicidade é um objetivo tangível – e não um horizonte que norteia nossas ações – só se tornou dominante na sociedade moderna. Sua base vem do iluminismo, que colocou o indivíduo – e suas necessidades – no centro das preocupações humanas.

É dessa época a teoria utilitarista, que defendia a busca da maior quantidade de felicidade para o maior número de pessoas. Para o jurista e filósofo inglês Jeremy Bentham, a felicidade era a vitória do prazer sobre a dor.

A partir do século XVIII, começou a ganhar força a ideia de que temos de evitar as sensações negativas. O principal problema dessa filosofia de vida é basear-se em princípios muito frágeis e efêmeros: as emoções. “Os sentimentos positivos e negativos não podem ser entendidos como fins em si mesmos”, afirma a pesquisadora norueguesa Ragnhild Bang Nes, do Instituto de Saúde Pública do país.

As emoções negativas, embora desagradáveis, podem servir de alerta para o indivíduo de que há um problema que precisa ser resolvido ou prepará-lo para experiências futuras. Como uma espécie de teste, elas parecem desafiar nossos planos de viver bem. A publicitária mineira Cristiana Guerra sabe como poucos o que é enfrentar situações difíceis e ser obrigada a superá-las. 

Cinco caminhos para o bem-estar
Dicas da New Economics Foundation para conquistar uma vida melhor
 Pesquisas feitas com veteranos de guerra mostram que a maioria – cerca de 80% –Cristiana, de transformar em algo positivo um evento traumático. Um fator importante para conseguir superar a dificuldade é o otimismo.

“Os otimistas são mais esperançosos, resilientes, saudáveis e têm um desempenho melhor do que o esperado no trabalho, na escola e nas relações”, afirma Martin Seligman. “Eles pensam que os efeitos das dificuldades são temporários, e suas causas, específicas, delimitadas. E que a realidade é mutável.”

É consenso entre os pesquisadores que grande parte da felicidade, assim como a personalidade, é determinada já no nascimento. “A genética explica quase metade da variação da felicidade”, diz Ragnhild Bang Nes, do Instituto de Saúde Pública da Noruega. Mas, se a felicidade já está inscrita nos genes, não podemos alterá-la? Segundo Martin Seligman, é possível aumentar a duração e a intensidade das emoções positivas, mas a melhoria esbarra num teto: a personalidade de cada um. O conformismo, então, é o que nos resta? Não, responde Seligman. Para ele, a principal vantagem da teoria do bem-estar é permitir a qualquer um, independentemente de sua personalidade ou condição de vida, avançar para uma situação melhor.

Como viver bem dependeria não só das emoções positivas, mas também de outros quatro fatores, cada um pode encontrar seu próprio caminho. “Minha razão para negar um lugar privilegiado para a emoção positiva é a libertação”, afirma o psicólogo em seu livro. “A visão de que a felicidade está ligada ao humor condena 50% da população do mundo, que é introvertida, ao inferno da infelicidade.”

Na teoria do bem-estar, ou do florescimento, quem não é “para cima” pode compensar adicionando propósito e engajamento à própria vida. Por esse raciocínio, nem todo mundo conseguiria ser exatamente feliz, mas todos podem viver bem.

Saber disso tira uma tonelada de ansiedade de nossos ombros. Em vez de tentar se adaptar a outro jeito de ser, de buscar o bem-estar em terras longínquas, é possível cultivar um jeito próprio de viver bem. 

Especialistas chamam de “estado de fluxo”, termo criado pelo psicólogo húngaro Mihaly Csikszentmihalyi. Nele, nós nos fundimos com o que fazemos. Não interessa a atividade, o importante é que ela desafie nossa capacidade e nos mantenha ocupados. 

Uma pesquisa inédita (leia os resultados no quadro abaixo) encomendada pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) revelou que 61% acreditam que sua felicidade depende de si mesmos. A opinião é corroborada por estudos científicos, que mostram que a personalidade é o que mais influencia a felicidade.

A ciência discorda, contudo, da importância que os brasileiros dão a alguns fatores externos, como o dinheiro, especialmente para quem já tem uma boa situação financeira. Nesse caso, estudos sugerem que o dinheiro só faz diferença se o aumento de renda for só seu, e não de todos a seu redor.

“Para os mais ricos, felicidade é estar mais alto no ranking do que seus pares”, diz o pesquisador tailandês Nick Powdthavee, de Cingapura, e autor deThe happiness equation (A equação da felicidade), 2010. Mas Seligman alerta: “Quem se baliza pela comparação social é menos satisfeito com a vida do que aqueles que levam em conta valores individuais”.

É importante também saber como gastar seu dinheiro. Um estudo da Universidade de Chicago analisou nove categorias de produto e viu que apenas uma, a do lazer, estava ligada à felicidade. Seu efeito positivo parece estar ligado ao aumento do contato social. “O dinheiro tem uma relação positiva com a felicidade, mas esta é pequena se comparada com fatores não monetários, como as relações sociais”, afirma Powdthavee.


No livro Felicidade: lições de uma nova ciência (BestSeller, 2008), o economista britânico Richard Layard coloca as interações sociais – de amizades ou amorosas – como os fatores externos mais importantes de nossa vida. Em sua pesquisa, as pessoas que começam a ver seus amigos quase todos os dias reportaram, ao final de um ano, um nível de felicidade 0,161 mais alto (num total de 7). Isso é mais que o efeito do primeiro ano de casamento, responsável por um aumento de 0,134 na felicidade do casal.

O tipo de amizade também é importante, e é melhor que seus amigos sejam bem-humorados. Segundo o médico e sociólogo Nicholas Christakis, autor do livro O poder das conexões (Campus, 2009), a felicidade é contagiosa – assim como a depressão.

Cada amigo feliz de nossa rede aumentaria em 9% nosso próprio bom humor – enquanto um amigo infeliz causaria uma queda de 7%. Mas a solução não seria sair correndo atrás de muitos amigos.

Em tempos de Facebook, Orkut e outras redes virtuais, em que alguns expõem orgulhosos listas com mais de 2 mil “amigos”, é importante saber qual é sua verdadeira e sólida base social. Segundo o biólogo evolucionista Robin Dunbar, o cérebro humano só é capaz de lidar com 150 amizades ao mesmo tempo. No grupo mais íntimo – e mais importante –, estariam só cinco pessoas. Mas não existem regras.

Há quem consiga melhorar seu bem-estar criando relações melhores com mais pessoas e há também quem se sinta confortável com cinco. “Uma das principais sabedorias é respeitar a característica de cada um”, diz a psicóloga Cláudia Giacomoni, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Obtido o desejado nível de bem-estar, muitos podem perguntar se a conquista seria duradoura. Embora parte dos brasileiros cite a juventude como um fator importante para se sentir feliz, estudos mostram que nosso bem-estar aumenta com o passar dos anos.

É verdade que a infância é uma fase propensa a uma grande dose de felicidade, mas o mesmo pode ser dito da terceira idade. Pesquisadores descobriram que, com o envelhecimento, há um aumento de bem-estar. As dificuldades surgem mesmo durante a vida adulta, repleta de desafios, pressões e inevitáveis frustrações.

A explicação para essa evolução estaria nas mudanças internas, e não em nosso entorno. Com o passar do tempo, nosso comportamento muda. As pessoas mais velhas brigam menos, sabem como solucionar um conflito, controlam melhor suas emoções e aceitam mais os infortúnios. Há várias teorias sobre por que isso acontece. Laura Carstensen, professora de psicologia da Universidade Stanford, afirma que os mais velhos sabem o que realmente importa e, por isso, focam no essencial. Com isso, aliviam a pressão pela felicidade imediata e se aproximam do bem-estar.

Como diz o historiador Richard Schoch, autor do recém-lançado A história da (in)felicidade, quando a felicidade está ligada a algumas condições, deixa de ser um direito de todo ser humano e se torna um privilégio de poucos. Ele diz que basta que tenhamos nascido para termos o direito e a capacidade de ser feliz. Para que esse objetivo não pese sobre nossos ombros, em vez de nos lançarmos numa incessante busca da felicidade – muitas vezes infrutífera –, deveríamos apenas descobrir como viver bem, a nossa própria maneira.

Fonte:  revistaepoca.globo.com


Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366

Qual o Sexo do seu Cérebro


Qual o Sexo do seu cérebro?




Thais Ferreira

As diferenças no corpo de homens e mulheres estão além daaparência e dos órgãos sexuais. A ciência detectou que até océrebro apresenta características femininas ou masculinas. Essa diferença neurológica gera diferenças de comportamentos, sentimentos e modos de pensar entre homens e mulheres.

Você consegue saber se seu amigo está triste ou irritado só de olhar para ele? Essa é uma característica de um cérebro feminino. Mas um homem também pode ter essa sensibilidade e outros comportamentos geralmente ligados a um cérebro feminino. Isso porque a sexualidade cerebral não está ligada diretamente ao sexo do corpo. “O sexo do cérebro é determinado pela quantidade de testosterona [hormônio masculino] a que o feto fica exposto no útero. Em geral, homens recebem doses maiores do que as mulheres. Mas isso varia e nós ainda não sabemos exatamente por quê”, diz a ÉPOCA a neuropsicologista Anne Moir, da Universidade de Oxford, na Inglaterra.

A diferença entre o cérebro dos dois gêneros tem raízes evolutivas. Segundo Moir, durante o desenvolvimento dos seres humanos, como o homem era o caçador, desenvolveu um cérebro com habilidades manuais, visuais e coordenação para construir ferramentas. Por isso, um cérebro masculino tem mais habilidades funcionais. Já as mulheres preparavam os alimentos e cuidavam dos mais novos. Elas tinham que entender os bebês, ler sua linguagem corporal e ajudá-los a sobreviver. Elas também tinham que se relacionar com as outras mulheres do grupo e dependiam disso para sobreviver na comunidade e, por isso, desenvolveram um cérebro mais social. Os homens, por sua vez, lidavam com um grupo de caçadores, não precisavam tanto um do outro e se comunicavam menos, apenas com sinais
.
Moir acredita que a diferença de sexo entre cérebro e corpo pode estar ligada às causas do homossexualismo. “Se a concentração de testosterona no útero está mais baixa do que o padrão para os homens, então o 'centro sexual' do cérebro será feminino e esse homem sentirá atração por outros homens. Se a concentração desse hormônio estiver alta, o 'centro sexual' será masculino e ele sentirá atração por mulheres”, diz Moir.

Moir está desenvolvendo uma linha de pesquisa para entender melhor as diferenças neurológicas entre homens e mulheres e, para isso, desenvolveu um teste que mostra numa escala de 1 a 20 qual é o sexo do cérebro. O número 1 representa o cérebro mais masculino possível e o 20, o mais feminino. Quem se aproxima do 10 tem um cérebro misto. Segundo Moir, esse último caso é muito comum em suas pesquisas.
Além do teste, outro fator que pode mostrar o sexo do cérebro de uma pessoa, segundo os estudos de Moir, é a medida dos dedos das mãos.

Segundo os estudos da inglesa, geralmente, quem tem cérebro masculino tem o dedo indicador menor que o anelar (olhando para a mão de frente para a palma). Já cérebros femininos são associados a dedos indicadores do mesmo comprimento que os anelares. Mas isso não é uma regra sem exceção, como praticamente tudo na biologia. A pesquisadora diz que, às vezes, uma mesma pessoa tem uma mão nos padrões do cérebro masculino e outra do feminino e isso exige mais estudos para entender a organização do cérebro.


Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366





Pesquisa: o que eles acham de sexo no 1º encontro


NATHALIA ZIEMKIEWICZ


Daí você transou com o cara no primeiro encontro. Não interessa o motivo. Se a lua estava cheia e seu copo de caipirinha, vazio. Se o papo era bom e a pegada também. Se bancou a “bem-resolvida” e jurou nunca mais ver o fulano. Se leu algum livro de Marçal Aquino e acreditou que “o amor é sexualmente transmissível”. Nem importa se o sexo foi incrível ou perda de tempo (e de fluidos). O dia seguinte, querida, vai se resumir à espera desgraçada por um feedback: um email, uma mensagem, uma ligação. Ainda que seja apenas para afagar seu ego.

Para aplacar essa angústia das mulheres e entender o que passa na cabeça dos homens (nas duas cabeças, a de cima e a de baixo), o site de relacionamentos Par Perfeito lançou em maio uma pesquisa entre seus usuários. Cerca de 35 mil pessoas responderam questões como “Se o sexo foi ruim, você daria uma segunda chance?”.

Olha só que curioso: 90% deles tentaria de novo, contra 71% delas. Ou seja, os homens são mais generosos que as mulheres neste sentido. Tudo bem se você não acertou logo o sexo oral dos sonhos. Eles superam uma estreia meia-boca na cama. Mas…
… o bofe não vai discar o número do seu celular se tiver faltado química entre vocês dois (72% deram essa justificativa à pesquisa). Sim, para o cérebro masculino, “sexo” e “química” também podem ser coisas diferentes. Não adianta o moço te achar um furacão na cama, mas uma chata no restaurante.

O desempenho entre lençóis foi tímido, mas rolou sintonia no ANTES e no DEPOIS? A probabilidade de você ouvir o “TRIIIMMM” é maior, mas seus problemas ainda não acabaram. Isso porque 12% alegou não ligar no dia seguinte por “não querer compromisso” e 8% só quiseram “testar o poder de sedução”. Os outros 8% somem com a explicação de que “ela aceitou sexo no primeiro encontro” (oi, bem-vindo ao século XXI?).

Bati palmas sozinha aqui na redação quando li que mais da metade dos participantes não avalia a mulher por esse critério [transar à primeira vista]. Para 55%, essa decisão é natural para ambos os sexos. Os demais escolheram as seguintes alternativas: “Significa que ela se interessou por mim” (19%); “Interessante, pois é autoconfiante” (13%); “Atirada demais para um relacionamento” (13%).

Eu atiraria todas as minhas lingeries no Rio Tietê para fugir de um cara retrógrado desses.

Fonte: revistaepoca.globo.com



Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366


sexta-feira, 1 de junho de 2012

Por que temos a sensação de déjà-vu?


Por:  Ana Carolina Prado

Sabe aquela sensação de estar vivendo uma coisa que já aconteceu? E aí nós ficamos na dúvida se sonhamos aquilo ou se voltamos no tempo (vai que, né?) ou se é a nossa vida que repete muito, mesmo. Qualquer que seja a nossa teoria, esse fenômeno, chamado de “déjà vu”, desperta a curiosidade de muitos cientistas por aí – e nenhum deles conseguiu, ainda, entender realmente do que se trata.
Quer dizer, até agora. Um estudo do Central European Institute of Technology (CEITEC MU) e da Faculdade de Medicina da Universidade de Masaryk, na República Tcheca, trouxe alguma luz sobre o mistério.

Os pesquisadores descobriram que certas estruturas cerebrais específicas têm um impacto direto sobre isso. Exames feitos com ressonância magnética com 113 voluntários mostraram que o hipocampo, estrutura localizada nos lobos temporais do cérebro onde as memórias se originam, eram consideravelmente menores em pessoas que vivem tendo essa sensação, em comparação com quem nunca teve uma experiência assim. E tem mais: quanto mais frequentes os déjà vus, menores eram essas áreas.

“Quando estimulamos o hipocampo de pacientes neurológicos, conseguimos induzir neles a sensação de déjà vu.  Ao encontrar as diferenças estruturais no hipocampo em pessoas saudáveis ​​que têm ou não tal experiência, mostramos que ela está diretamente ligada à função destas estruturas cerebrais”, afirmou o autor principal do estudo, Milan Brázdil, do CEITEC.                                       
                                                         
Para ele, o déjà vu é provavelmente causado por uma superexcitação de células nervosas em hipocampos mais sensíveis. Isso causaria um pequeno “erro no sistema”: as lembranças falsas.“Tal sensibilidade maior pode ser consequência de alterações nessas regiões do cérebro que podem ter ocorrido durante o desenvolvimento do sistema neural”, explica Brázdil. 
O hipocampo é excepcionalmente vulnerável a várias influências do ambiente externo, como as patológicas (como inflamações) ou fisiológicas (como o stress ou privação do sono), principalmente na primeira infância.
Apesar de parecer misterioso, o déjà vu é uma experiência comum: segundo os pesquisadores, entre 60% e 80% dos indivíduos normais já passou por isso.

Fonte: super.abril.com.br


(*) Déjà-vu, no sentido literal significa “Já visto”, em  Português.
(*) Ste  é um termo que designa desorientação no tempo, o que uma pessoa sente sobre um lugar antes desconhecido , ou sentir como se já tivesse estado, anteriormente, em uma situação, ou já ter conhecido uma pessoa.

 Déjà vu é uma sensação inesperada de familiaridade que se aplica a  eventos, experiências, impressões sensoriais, sonhos, pensamentos, declarações, desejos, emoções, sonhos, visitas, o ato de leitura, o estado de saber, e, em geral, as circunstâncias do viver.

 O termo, em francês, tem o significado literal para "já visto", e foi usado pela primeira vez para dar uma descrição de tais experiências em 1876 por E. Carta Boirac, que o chamou de "le sensação du déjà vu". Em 1896, FL Arnaud introduziu para a ciência. Não há equivalente adequado  do  Inglês para o termo "déjà vu".

Aqueles que aceitam a teoria de reencarnação, acreditam que déjà vu é causada por fragmentos do passado, de memórias de vidas , uma sacudida para a superfície da mente pelo ambiente familiar ou pessoas.

Outros teorizam que o fenômeno é causado pela projeção astral, ou fora do corpo (EFC experiências), onde é possível que os indivíduos tenham visitado lugares ao mesmo tempo em seus corpos astrais durante o sono. A sensação pode ser também ligada ao cumprimento de uma condição  premonição. 



Outros dizem que déjà vu é um produto do inconsciente coletivo como teorizado pelo psiquiatra Carl G. Jung.   Eles especulam que o déjà vu ocorre  nas memórias coletivas da humanidade. 

O próprio Jung teve uma experiência intensa de déjà vu durante sua primeira viagem à África. 

Ao olhar por uma janela de trem, ele sentiu como se estivesse voltando para a terra de sua juventude de cinco mil anos anteriores. Ele descreveu em  Memórias, sonhos, reflexões  como "reconhecimento do imemorialmente conhecido."


No entanto, muitos pesquisadores são cautelosos ao lidar com casos de déjà vu, porque a chance da pessoa que experimentou a sensação, que pode ter lido ou visto algo que agora está em seu inconsciente e que provoca a impressão. Os temas  são  mais  confiáveis em crianças pequenas.


Adaptação: Terezinha Barreiro


Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366

Por que Azul para meninos e Rosa para meninas?


Por:  Bruno Vieira Feijó

A associação é tão comum que nem parece precisar de explicação, mas nem sempre meninos vestiram azul e meninas vestiram rosa. Segundo o livro Dictionary Of Omens and Supersticions (“Dicionário de Agouros e Supertições”, sem tradução em português), o costume já existia na era pré-cristã, quando se acreditava que algumas cores podiam expulsar os espíritos nefastos que rondavam os recém-nascidos.

Como bebês do sexo masculino eram mais valiosos, passaram a ser vestidos com roupas azuis, cor associada aos espíritos do bem (por ser a mesma do céu). As meninas, quando recebiam alguma atenção, ganhavam roupas pretas, cor-símbolo da fertilidade na cultura oriental, de onde possivelmente veio a crença nos espíritos.

Foi só no século 19 que o rosa ganhou alguma ligação com a feminilidade, influenciado por uma lenda européia que diz que as meninas nascem de rosas e os meninos de repolhos azuis. Esse padrão, no entanto, não se disseminou por todo o mundo.

Por um bom tempo, na França, as meninas se vestiam de azul, por causa da tradição católica, que associa a cor à pureza da Virgem Maria.

Fonte: super.abril.com.br


Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Para atrair mulheres, homens pagam até R$ 3 mil em curso de sedução



Treinamento tem 20 horas de parte teórica e aula prática em boates.

Método criado por inglês vira livro, DVD e rende milhões de euros a autor.


Tássia ThumDo G1 RJ

Nada de orações para Santo Antônio ou simpatias com lingerie vermelha. Para sair do zero a zero no Dia dos Namorados, homens investem de R$ 1,2 mil a R$ 3 mil em um curso que promete transformá-los em "artistas da sedução".  No Rio de Janeiro, uma consultoria especializada no assunto oferece aulas práticas em boates, com direito a dicas por SMS, para desencalhar os solteiros.

A famosa “conversa fiada” dos homens para atrair as mulheres foi profissionalizada pelo inglês Richard la Ruina, que criou o método da “Arte Natural da sedução”. A teoria é ensinada em livros, DVDs e na consultoria PUA Training.

Mas os professores explicam que a consultoria não tem interesse em criar homens "pegadores", mas sim "sedutores".
“Os homens que procuram o curso de sedução são dos mais variados tipos, mas todos têm em comum a insatisfação com a vida amorosa.

 O curso ensina linguagem corporal, técnicas de conversação, dicas de moda, tudo para o cara se sentir confiante em abordar pessoas desconhecidas e evoluir para um relacionamento”, explica Fernando Mello, 35 anos, diretor-executivo da PUA Training, no Brasil.

Fernando abandonou a vida de promoter de festas e de consultor imobiliário há um ano, quando se tornou um “coaching de relacionamentos”. Em companhia do psiquiatra e sexólogo Guilherme Malaquias, do administrador Bruno Gilglio e do estudante Phill, ele dá cursos no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, São Paulo e Brasília.

Aulas com médico e sexólogo

Alunos têm que abordar mulheres em boates e
shoppings (Foto: Divulgação/ PUA Training Brasil)
Apesar de parecer algo inusitado, para os professores o curso é assunto sério.

 Em 20 horas, os alunos assistem a palestras de médico e sexólogo sobre comportamento, autoestima, técnicas de sociabilidade, entre outras. Nas aulas, uma modelo de corpo escultural faz o papel do alvo na boate. Com ela, os homens exercitam como deve ser o "chega mais" para conquistar um placar favorável na balada.

Após duas aulas, os homens colocam o aprendizado em prática em boates da Zona Sul e da Barra da Tijuca, sempre supervisionados pelos "instrutores de sedução".

No último dia de curso, os discípulos têm uma missão ainda mais curiosa - abordar mulheres em shoppings centers e em outros lugares improváveis, como cafeterias e filas de banco.

Códigos e SMS

Na noite, os mestres se disfarçam de amigos dos alunos para acompanhar de perto o desenvolvimento dos aspirantes a sedutores. Os "estudantes" são divididos em grupos e têm a missão de abordar diversas garotas e sair ao menos com um contato telefônico ou Facebook de alguma delas.

 Para que não se perceba que é um treinamento, os professores adotam códigos e enviam SMS para os alunos com dicas e orientações.

Quando o mestre pedir para o aluno melhorar o “kino”, significa para o rapaz atacar o alvo com toques em áreas como pescoço, braço e cintura. Mudar o set, indica procurar outro grupo de meninas para abordar.


Fonte: G1.globo.com
            Richard La Ruina (a arte natural da sedução)
            Érica Queiroz (o amor está na rede)
            Agradecimento: Mattel
Fotos: Caio Kenki /G1


Atendimento psicológico na Clínica Gênesis em Cabo Frio.

Telefone para marcar consulta: 22 2643-6366